quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

O Propósito do Velho Testamento



 A Bíblia é dividida em duas partes principais. A primeira parte é chamada de o Velho Testamento e contém 39 livros escritos durante um período de aproximadamente 1.000 anos. O primeiro livro, Gênesis, começa com a criação do mundo por Deus e traça a história do homem através dos tempos de Noé, Abraão, Isaque, Jacó e José. O resto do Velho Testamento descreve, principalmente, a história do povo israelita e os esforços de Deus para os guiar através da sua Lei e dos seus profetas.
Hoje, é esperado que usemos o Velho Testamento para aprender mais sobre a natureza de Deus e a necessidade de servi-lo. “Pois tudo quanto, outrora, foi escrito para o nosso ensino foi escrito, a fim de que, pela paciência e pela consolação das Escrituras, tenhamos esperança” (Romanos 15:4).
Ao estudar a história israelita, podemos aprender da sua fé e as bênçãos que Deus lhes deu quando eram obedientes. Da mesma forma, podemos aprender da sua desobediência e das conseqüências que Deus pôs sobre eles quando eram indiferentes, transigentes ou rebeldes. É esperado que façamos aplicações espirituais positivas nas nossas vidas dos princípios encontrados aqui. “Estas coisas lhes sobrevieram como exemplos e foram escritas para advertência nossa...” (1 Coríntios 10:11).
No Velho Testamento, Deus deu um conjunto especial de leis à nação de Israel. Esta Lei geralmente era chamada de “a Lei de Moisés”, já que Moisés recebeu de Deus e entregou aos israelitas. A Lei mandava que eles fizessem certas coisas no seu serviço público e pessoal a Deus. Podemos aprender muitas coisas da Lei de Moisés, mas há duas coisas principais que a Lei foi feita para ensinar:

1. Quando o homem desobedece a Deus é pecado. “Qual, pois, a razão de ser da lei? Foi adicionada por causa das transgressões...” (Gálatas 3:19). “...em razão de que pela lei vem o pleno conhecimento do pecado” (Romanos 3:20). Estes versículos explicam que a Lei de Moisés foi dada para mostrar ao homem o quanto ele realmente é pecador. Em outras palavras, Deus havia dito aos israelitas “faça” e “não faça” a respeito de muitas coisas, mas eles freqüentemente desobedeciam e transgrediam sua Lei, não atingindo o padrão de Deus. Sob a Lei, sacrifícios de animais foram oferecidos continuamente a Deus como expiação pelo pecado, no entanto o sangue de animais nunca foi um sacrifício adequado e permanente pelos pecados da alma do homem. Assim, o mundo podia ver que algo mais era necessário para libertar o povo dos seus pecados — um Salvador.
 
2. O Cristo viria para sofrer pelos nossos pecados. Durante a época do Velho Testamento, Deus revelou que o Messias nasceria no mundo e morreria como sacrifício pelos pecados da humanidade. Deus disse a Abraão: “nela serão benditas todas as nações da terra....” (Gênesis 22:18). Em outras palavras, um dos descendentes de Abraão faria algo para abençoar o mundo inteiro. Aquele descendente é identificado no Novo Testamento como Jesus Cristo (Gálatas 3:16). Muitas profecias do Velho Testamento apontam para Cristo como vindo para ser um sacrifício para nossos pecados. “Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados” (Isaías 53:5). “E cumpriu-se a Escritura que diz: Com malfeitores foi contado” (Marcos 15:28).
Assim o Velho Testamento apontou os israelitas para Jesus de Nazaré, fornecendo provas de que ele é “o Cristo, o Filho do Deus vivo”. O apóstolo Paulo disse: “De maneira que a lei nos serviu de aio para nos conduzir a Cristo, a fim de que fôssemos justificados por fé. Mas, tendo vindo a fé, já não permanecemos subordinados ao aio” (Gálatas 3:24-25). Este versículo explica que, quando Cristo e sua nova Lei de Fé vieram, nós não permanecemos subordinados à Lei de Moisés que, na profecia e no paralelo, apontaram para Cristo. A Velha Lei havia servido seu propósito. Agora devemos seguir os mandamentos dados a nós no Novo Testamento pelo nosso Salvador Jesus Cristo e seus apóstolos inspirados.