quinta-feira, 18 de junho de 2015

Série - A Vida de Jesus na Terra (Cap 2) Sitema Político da Época


Como funcionava a sociedade no tempo de Jesus 
 Na sociedade do tempo de Jesus os grupos, diferenciavam no modo de relacionar com a política, economia, religião. Eles tinham grande importância no quadro social daquela época. Ao lermos os Evangelhos deparamos com estes grupos com os quais Jesus entrava em dificuldades e conflitos.




O grupo dos Saduceus
Formado pelos proprietários de terras e membros da elite sacerdotal. Com o poder na mão, controlava a administração da justiça no Tribunal Supremo o Sinédrio. Intransigentes com o povo, viviam preocupados com a ordem pública. Foram eles os responsáveis pela morte de Jesus. Os saduceus eram colaboradores do império romano, tinham uma política de conciliação, com medo de perder seus cargos e privilégios.


O grupo dos doutores da Lei
Adquiriu maior prestígio na sociedade daquele tempo. Seu grande poder residia no saber. A influência deles era exercida em três lugares: Sinédrio, sinagoga e escola. No Sinédrio, apresentavam como juristas para aplicar a Lei nos assuntos governamentais e questões judiciárias. Na sinagoga, eram os grandes intérpretes das Escrituras, criando a tradição através da releitura, explicação e aplicação da Lei para os novos tempos. Eles monopolizavam a interpretação das Escrituras, e tornavam guias espirituais do povo, determinando até mesmo as regras que dirigem o culto. Os Fariseus eram nacionalistas hostis ao império romano, de resistência passiva. Os fariseus eram formado por leigos provindos de todas as camadas da sociedade, artesãos e pequenos comerciantes. A maioria do clero pobre, que se opõe à elite sacerdotal pertencia a esse grupo.
Na religião, os fariseus caracterizam pelo rigoroso cumprimento da Lei em todos os campos e situações da vida diária. Eram conservadores zelosos e criadores de novas tradições, através da interpretação da Lei para o momento histórico em que viviam. A maior expressão do farisaísmo era a criação da sinagoga, opondo-se ao Templo, dominado pelos saduceus. Assim a sinagoga, com a leitura, interpretação dos textos bíblicos e orações, tornavam-se a expressão religiosa oposta ao sistema cultual e sacrifical do Templo.

Os Zelotas
Constituíram a partir dos fariseus. Provinham da classe camponesa, as camadas pobres da sociedade massacradas por um sistema fiscal impiedoso. Desejam expulsar os dominadores pagãos romanos, eram contrários ao governo de Herodes na Galiléia. Queriam restaurar um Estado onde Deus é o único rei, representado por um descendente de Davi o messianismo. Nesse sentido, os zelotas eram reformistas, pretendiam restabelecer uma situação passada. Enquanto os fariseus mantinham numa atitude de resistência passiva, os zelotas partiam para a luta armada. As autoridades os consideravam criminosos e terroristas, eram perseguidos pelo poder romano. Entre os apóstolos de Jesus, provavelmente dois eram zelotas: Simão (Mc 3,19) e Judas Iscariotes. Simão Pedro parece adotar certos métodos dos zelotas.

Os Erodíamos
Eram funcionários da corte de Herodes eram conservadores tinham o poder civil da Galiléia nas mãos. Fortes opositores dos zelotas viviam preocupados em capturar agitadores políticos na Galiléia. Foram eles responsáveis pela morte de João Batista.

Os Essênios
Este grupo foi resultado de fusão entre sacerdotes dissidentes do clero de Jerusalém e de leigos exilados. Na época de Jesus, viviam em comunidades com estilo de vida bastante severo, caracterizado pelo sacerdócio e hierarquia, legalismo rigoroso, espiritualidade apocalíptica e a pretensão de ser o verdadeiro povo de Deus. Assemelham-se aos fariseus e estavam em ruptura radical com o judaísmo oficial. Tendo deixado Jerusalém, dirigiram para regiões de grutas, para viverem ideal "monástico". Tinham uma vida em comum, dividiam seus bens. Tinham obrigação de trabalhar com as próprias mãos, o comércio era proibido, assim como o derramamento de sangue, mesmo em forma de sacrifícios.

Os Samaritanos
Como o próprio nome indica, eram habitantes da Samaria, descendentes da população mista israelita e pagã. Não formavam uma seita propriamente dita, mas os Samaritanos afastaram-se do judaísmo oficial. Tinham o Pentateuco em comum com os Judeus, mas construíram o seu próprio Templo no monte Garizim (2Rs. 17, 24-28), por este motivo os Judeus (habitantes da Judeia - ao sul) considerava-os como pagãos. As relações entre eles e os Judeus eram muito tensas (Lc. 9,52; Jo. 4,9; 8,48). O comportamento de Jesus a seu respeito escandalizou os seus contemporâneos (Jo. 4,5-.40; Lc. 10,13; 17,10-17). A missão cristã desenvolveu-se primeiro entre eles (At. 1,8: 8,5-25; 9,31; 15,3).
A religião dos judeus no tempo de Jesus está centrada em dois aspectos fundamentais: o Templo e a sinagoga. Jesus nasceu, viveu e morreu dentro do contexto histórico do séc. I. Por isso quando lemos os Evangelhos, devemos ficar atentos para avaliar corretamente as atividades de Jesus dentro da formação social, econômica, política e religiosa do seu tempo. A fidelidade a Palavra de Deus está no olhar a realidade do povo de ontem e de hoje e transformar a realidade numa grande revelação de Deus. O centro da mensagem de Jesus é o reino de Deus uma nova sociedade.
Meu querido leitor leia a palavra de Deus para que você possa aprofundar melhor ao conhecimento de Jesus de seu projeto, deixe questionar por Jesus, ele questionou as pessoas de seu tempo e questiona a nós hoje.