sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Capítulo 4: A Ênfase ao Ministério de Cura de Jesus



Introdução 
No estudo desta semana, veremos a ênfase do Evangelista Marcos em relatar os milagres registrados no Evangelho que leva o seu nome. Marcos escreveu para os romanos em sua época, e eles, davam muita ênfase à curas e milagres, e Marcos sabiamente os registrou para que cressem em Cristo Jesus. A Palavra do Senhor é a resposta.
I. Jesus e o Ministério de Cura 
Claramente, Jesus precisou do batismo do Espírito Santo para que fosse ungido para o ministério. É por isso que, logo depois de Seu batismo, lemos que Ele prega com estas palavras: “O Espírito do Senhor está obre mim, porque ele me ungiu para pregar...para proclamar...para libertar...” Também é por este motivo que Pedro pregou: “Como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e poder, e como ele andou por toda parte fazendo o bem e curando todos os oprimidos pelo Diabo, porque Deus estava com ele” (At. 10:38).
II. O Propósito do Ministério Evangelístico de Jesus 
A mesma coisa se aplica ao ministério de cura de Jesus. As Escrituras deixam claro que Jesus não podia curar todo o tempo. Por exemplo, lemos no evangelho de Marcos que quando Jesus visitou sua cidade natal de Nazaré, não foi capaz de completar tudo o que queria fazer (Mc 6.1-6). Marcos não disse que Jesus não quis fazer nenhum milagre ali, mas que não pôde. Por quê? Porque as pessoas de Nazaré eram descrentes. Elas não receberam Jesus como o ungido Filho de Deus, mas somente como o filho de um carpinteiro local. Assim como Jesus mesmo advertiu: “Só em sua própria terra, entre os seus parentes e em sua própria casa, é que um profeta não tem honra” (Mc. 6:4). Como resultado, o máximo que pôde fazer foi curar algumas pessoas.
III. A Pessoa do Senhor Jesus Cristo 
Deus não mudou desde os dias de Jesus ou Paulo; portanto, não devemos nos surpreender se Deus ungir a alguns de Seus servos hoje com tal unção de cura, como fez com Jesus e Paulo. Contudo, esses dons não são normalmente dados a ministros novos, mas somente para aqueles que provam ser fiéis e generosos em sua motivação por certo período de tempo. Tudo isso pode se referir à cura física. Doenças definitivamente podem ser consideradas opressões, como as Escrituras dizem que “Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e poder, e.…ele andou por toda a parte fazendo o bem e curando todos os oprimidos pelo Diabo” (At. 10:38).