quarta-feira, 12 de julho de 2017

Comentário Bíblico Mensal - Julho/2017 - Capítulo 2: A Iniquidade de Judá e a Intercessão de Habacuque




Introdução


A vida particular do profeta Habacuque é pouco conhecida assim como a dos outros profetas menores. Habacuque, cujo nome significa 'abraço', profetizou a Judá sobre a invasão iminente dos caldeus. O primeiro verso do livro de Habacuque está mais para um título inicial, do que para um elemento essencial para o entendimento do texto. Durante a leitura do livro é possível verificar que o texto apresenta uma sentença (peso) que o profeta (oráculo de Deus) viu, ou seja, uma revelação de Deus.

I. Os Caldeus

Os rudes e impetuosos caldeus estão se aproximando. Rápidos em seu avanço, espalham o terror com a captura de novas terras, a destruição das fortalezas e a supressão dos reis. Deus está permitindo a esses ferozes conquistadores que levem a justiça a Judá (1.5-11). Utiliza Deus os malvados para castigar os infiéis em Judá? É que não são os ofensores entre o povo de Deus —não importa o quão culpáveis sejam— ainda melhores que os brutos idólatras procedentes da Babilônia? Habacuque imagina se a revelada natureza de Deus como santa e justa e as atuais condições dos pagãos invasores, garantem realmente a acusação de que Deus permita isso. turvado e perplexo porque Deus tem ordenado aos caldeus que executem seu juízo, Habacuque espera impaciente a resposta (1.12-2.1).

II. O Castigo de Judá

Com toda certeza, Habacuque foi testemunha do declive e queda do império assírio no transcurso de sua vida. Sincronizado com a decadência assíria e sua influência em Judá, chega o reavivamento com a chefia de Josias. Simultaneamente com estes acontecimentos, chegou o ressurgir do poder da Média e Babilônia na parte oriental do Crescente Fértil. A queda de Nínive pôde ter acontecido antes que Habacuque fizesse sua aparição como porta-voz de Deus. A descrição da violência, a luta e a apostasia, tão freqüentes em Judá durante os tempos de Habacuque (1.2-4), parece encaixar com o período imediatamente seguinte à morte de Josias no 609. Os caldeus não se tinham ainda manifestado como uma ameaça suficiente forte para Judá, já que o controle do Egito se estendia desde o Eufrates, até a batalha de Carquemis (605 a.C.) 
Conseqüentemente, os anos transcorridos entre 609 e o 605 proporcionam uma conveniente base para a mensagem de Habacuque. O diálogo entre Habacuque e Deus é digno de mencionar-se. O profeta apresenta a questão filosófica de uma aparente discrepância entre os fatos da história e a revelação divina. Finalmente, ele resolve suas dificuldades expressando sua fé em Deus. O fato básico para a totalidade da discussão é o uso de Deus de um povo pagão para castigar a seu próprio povo.


III. As Perguntas de Habacuque

Habacuque se sente turvado pelos males que prevalecem em sua geração. Impera a injustiça, a violência e a destruição continuam, a Torá é ignorada, e a respeito disto o profeta apela impacientemente a Deus; porém, nada muda. Por quanto tempo ignorará Deus sua oração e tolerará tais condições? 
Observando agudamente aquelas múltiplas manifestações de presunção a respeito dele, Habacuque encontra alívio na realização de que o Senhor está em seu santo templo.
Imediatamente será pronunciado o solene aviso de que toda a terra deveria guardar silêncio diante dEle. Esses pensamentos evocam um salmo de louvor dos lábios do profeta. Conhecidas para ele são as grandes obras de Deus em épocas passadas. Com uma chamada para que Deus se lembre de sua misericórdia em sua ira, Habacuque implora dEle que fala de novo conhecer seus poderosos feitos. Deus manifestou sua glória e utilizou a natureza para levar a salvação a seu povo de Israel quando os trouxe desde o deserto e os estabeleceu na terra prometida. Habacuque deseja suportar as presentes calamidades com o conhecimento de que o dia de Deus e sua ira cairão sobre o agressor. Embora os campos e os rebanhos falhem em suas provisões materiais, ele ainda se gozará no Deus de sua salvação. Mediante uma fé viva em Deus, o profeta reúne força para encarar-se a um futuro incerto.