quarta-feira, 24 de maio de 2017

Comentário Bíblico Mensal: Maio/2017 - Capítulo 4: Daniel diante de Belsazar




Introdução

Pouco mais de vinte anos haviam se passado desde a morte de Nabucodonosor. Quem reinava agora era Nabonido, auxiliado pelo filho Belsazar. A triste cena narrada por esse capítulo mostra o corregente dando uma festa no palácio. Não contente com a bebedeira e as orgias idolátricas, mandou trazer os utensílios que outrora haviam sido utilizados no santuário de Deus, em Israel. Iria se embriagar com os recipientes que haviam recebido o sangue dos cordeiros que representavam a Jesus. O pecado é assim mesmo: uma vez acariciado, leva a pessoa à cegueira, a tal ponto que ela não mais discerne entre o sagrado e o profano.
I. A Festa de Belsazar e a sua Soberba

O rei de Babilônia tinha convidado mil pessoas importantes. Eles estavam usando os copos de ouro e de prata, e as bacias tiradas do templo de Jeová em Jerusalém. Mas, de repente, apareceram no ar os dedos da mão dum homem e começaram a escrever na parede. Todos ficaram com medo.

II. A Escrita na Parede

Tentando se recompor (embora os joelhos tremessem de medo), ele deu uma ordem: que os encantadores e os feiticeiros fossem trazidos ali imediatamente, a fim de interpretar o que a mão havia escrito. E prometeu que quem fizesse isso seria o terceiro no reino, ou seja, ocuparia função apenas abaixo de Nabonido e dele mesmo. Belsazar não aprendera a lição. No tempo de Nabucodonosor, ficara mais que provado que os feiticeiros e astrólogos não passavam de charlatães inúteis. E, como tal, mais uma vez falharam; não puderam ler a escrita na parede, o que deixou o rei ainda mais perturbado. Naquele momento, entrou no salão de festas a rainha mãe (possivelmente uma das esposas de Nabucodonosor). Ela conhecia Daniel e fez lembrar ao rei que o hebreu tinha o “espírito dos deuses santos”. Daniel, agora com mais ou menos 80 anos, foi chamado à presença do rei, que lhe ofereceu todas as riquezas prometidas aos outros sábios. Como quem não deve nada a ninguém, movido pela fé e coragem que o caracterizavam, o profeta disse: “As tuas dádivas fiquem contigo, e dá os teus presentes a outros. Todavia lerei ao rei a escritura, e lhe farei saber a interpretação” (v. 17).

III. Daniel revela a escrita na Parede

Em seguida, Daniel recapitulou a história da ascensão, queda e conversão de Nabucodonosor. Disse também que, embora Belsazar soubesse de tudo isso, não humilhou o coração (v. 22). Nas palavras de Ellen White, “a oportunidade de conhecer e obedecer ao verdadeiro Deus tinha-Lhe sido dada, mas não tinha sido levada ao coração, e ele estava prestes a colher as consequências da sua rebelião”. De uma forma ou de outra, todos têm oportunidades de escolher o caminho certo. Se usam mal a liberdade que possuem, à luz da verdade que lhes foi apresentada, devem assumir as consequências dessa escolha. Foi o que aconteceu com o inconsequente Belsazar. A inscrição traduzida por Daniel era um juízo contra Babilônia e seu rei. Dizia: “Mene, mene, tequel e parsim.” Decifrada, fica: “Contou Deus o teu reino e o acabou. Pesado foste na balança, e foste achado em falta. Dividido foi o teu reino, e dado aos medos e persas” (v. 26-28).

IV. A morte de Belsazar

Naquela mesma noite, os persas desviaram o curso do rio Eufrates, que cruzava Babilônia, entraram por baixo dos muros, pelo leito seco, e mataram os guardas sonolentos. O período da cabeça de ouro da estátua de Daniel 2 estava acabado. Os braços de prata agora dominavam o cenário histórico. Dario, o medo, era o novo rei.
Já pensou que você pode estar sendo “pesado” hoje? Agora é o dia da salvação, diz Paulo, em 2 Coríntios 6:2. Qual a sua situação diante de Deus? Para que lado vai pender o prato da balança? Satanás, como o irmão mais velho de Raynald, nos conhece bem. Sabe que pontos fracos explorar para nos manter presos a uma vida de pecado.
Aquilo que ouvimos, lemos, assistimos, pensamos, comemos... de uma forma ou de outra contribuirá para decidir nosso destino. Por isso, devemos fazer escolhas sábias, orientados pela Palavra de Deus e fortalecidos pelo poder do Espírito Santo – o mesmo Espírito de quem Daniel era cheio.